05/08/2016

Compartilhe:

Imprimir:

Por que eu acredito que a Olimpíada 2016 deu certo para o Brasil


É a primeira vez que os Jogos Olímpicos serão realizados em um país da América do Sul
É a primeira vez que os Jogos Olímpicos serão realizados em um país da América do Sul

Um dos eventos mais importantes do esporte está prestes a começar. A Olimpíads 2016, que este ano será realizada no Brasil, é um dos maiores espetáculos da Terra e reunirá mais de 10 mil atletas de elite, de 206 países, competindo em mais de 40 diferentes categorias. Serão 12 dias em que as atenções do mundo estarão voltadas para nós, brasileiros.

É a primeira vez que os Jogos Olímpicos serão realizados em um país da América do Sul. E apesar da grandiosidade do evento, há um clima de desconfiança no ar decorrente do momento político e econômico que vivemos. 

Além do descontentamento relacionado às falhas das ações governamentais, é evidente que existiram problemas relacionados à organização e estrutura oferecida para receber os atletas e turistas que acompanharão os jogos, noticiados pela mídia nacional e internacional. Tudo isso engrossa o discurso de que as Olimpíadas serão um fiasco para o Brasil.

Quanto mais próximos do início da Olimpíada, mais questões são levantadas sobre qual é o legado que ela deixará para o País. O fato é que, independentemente de tudo o que tem sido dito e de todos os problemas que estão sendo apontados, os jogos irão acontecer.

Entendo que, apesar de todos os fatores que jogam contra o evento neste momento, ainda há motivos para otimismo. Na melhor das hipóteses, os jogos olímpicos estão movimentando a economia do País, gerando negócios para pequenas e médias empresas.

De acordo com dados da Confederação Nacional de Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), a realização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos deve gerar receita de mais de R$ 2,5 bilhões para o setor de turismo do Rio de Janeiro. Isso significa um aumento de 18,8% na comparação com o mesmo período de 2015.

Os benefícios não se restringem ao turismo e nem apenas ao Rio. Uma pesquisa divulgada recentemente aponta que os jogos devem gerar 1,08 milhão de empregos diretos e 718,8 mil indiretos, distribuídos entre as cinco regiões do País. Construção civil, comércio, serviços de informação são apenas alguns dos setores impactados pelos jogos, para citar apenas poucos exemplos.

Do ponto de vista do comércio exterior, a realização dos jogos proporcionará um momento único.  Será a oportunidade para que empresários, investidores e turistas de todas as partes do mundo conheçam o potencial do mercado brasileiro, o que pode atrair, a médio e longo prazo, o investimento estrangeiro ao país e alavancar ainda mais as exportações.

De uma maneira muito otimista, acredito que a Olimpíada 2016 deixará um legado positivo para o Brasil. Apesar de todos os pontos contra, será o momento de mostrar ao mundo todo o nosso potencial, aquilo que nós temos de melhor: o próprio povo brasileiro.


Avalie esta notícia:  starstarstarstarstar

Compartilhe:

Imprimir:

Deixe um comentário

(O comentário não pode exceder 500 caracteres)

Carlos Wizard Martins
Carlos Wizard Martins é presidente da Mundo Verde, maior rede de lojas de produtos naturais, orgânicos e de bem-estar da América Latina. Fundou a escola de idiomas Wizard que se transformaria no grupo Multi Educação, vendido para o grupo britânico Pearson Education, em 2013. É autor do livro “Desperte um Milionário em Você” que já vendeu mais de 100 mil exemplares. Sua biografia “Sonhos Não Tem Limites” figurou na lista dos 10 livros mais vendidos do ano na categoria “Não-Ficção”